sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Amábile Comandolli no curta "Lilinho"







Amábile Comandolli a convite da Panvel virá  dia 10/10 de Criciúma- SC participar da premier do curta "Lilinho" que protagonizou. Onde teve o desempenho elogiado pela equipe da Produra Mínina e muitos elogios do diretor Zé Pedro Goulart


A G&G mais uma vez coloca no mercado outra estrela!!! Parabéns querida!!


O curta também teve a participação dos atores da Guri & Guria Júlia Lemes, Larissa Souza e Samuel Marques!










Abaixo está o depoimento de Flávio, pai de Amábile sobre esta nova experiência:



"Vera e  todos mais da Guri e Guria Casting Infantil.

Foi com com grande admiração que conhecemos o pessoa da Mínima produtora do Curta Metragem Lilinho. Nós, pais e a Amábile, já estávamos muito contentes com a escolha dela para o papel principal. O pessoal está maravilhado com o desempenho da Amábile. Recebemos elogios que sabemos são sinceros. O próprio Zé Pedro inclusive! Não sabemos como agradecer à Guri & Guria Casting Infantil  por ter aberto o caminho à gente incrível como o Zé Pedro, RGS (desde anos atrás), PoA em especial, sua equipe de Diretores e adjuntos e todas aquela equipe maravilhosa. 

Estive lá sábado e domingo. Trabalho até 19h00 no sábado. Outra alegria especial foi conhecer os modelos e atores mirins. Uma seleção, com certeza, de modelos/atores mirins do RGS, na maioria, do elenco da Guri e GuriaCasting Infantil, aparecendo como figurantes da história.  Amábile está como no centro de tudo. 50-70 pessoal em torno dela! 3-4 diretores, vice, de diversass áreas, afora o Zé Pedro. 

Equipamentos mil e um paraíso de lugar. Uma mansão cercada de natureza, nevoeiro artificial, cortinas esvoaçantes, e ela, lá, um tiquinho de gente, mais tênue do que a névoa, sozinha, em certa cena, parecendo que tudo aquilo era um enorme conto de fadas estonteante, e real à frente das pessoas. 

O mais emocionante:  Historinhas Reais vividas na interpretação, no sentido de dar À atris o que ela tem de mais natural, sem forçar, com a força da arte e do imaginário. Domingo, às 16h00, depois de um dia de trabalhos e gravações cansativos (mas agradáveis), foi preparado um show de dança espontânea que emocionou muita gente lá (eu perdi, porque já tinha vindo para cá às 15h00). 

Pessoas choraram, como a produtora de elenco Eliane (que me confirmou pessoalmente ao telefone, porque claro, a Mãe Izis já tinha me contado) e a mãe da Amábile, claro, e também outras pessoas. Tanto que o Zé Pedro em pessoa, diretor e fundador (para nós, "o bicho" ..rsr)  de Zepellin Filmes, da Casa do Cinema de PoA e agora da Mínima Filmes, que inclusive botou a mão diretamente na câmera principal, para tirar da cena tudo de mais genuíno, na sua capacidade. Acabada a cena na frente da mansão, ele simplesmente disse: "depois dessa, vamos todos embora, deu!". Algo como, o Grande Michelangelo qdo terminou o "Moises" ("Parla Moises!"). Claro que ele é o mentor disso tudo com sua equipe de grande valor, e viu na Amábile uma pessoa, acima de tudo, natural e especial. Na verdade ela está lá com umas 4 mães, ou mais. Izis, Eliana, Danielle e a Mãe, na história. E mais um time de "pais". Parece a Alice no país das maravilhas. Pelo que consta o trabalhinho da Amábile, espontânea com diferenciada colaboração e disciplina, com as condições de trabalho que é são dadas a ela pela produção, está deixando tudo bem dentro do cronograma, mesmo, segunda, não tendo filmagem por causa das trovoadas em PoA, podem até terminar com mais um dia, com várias gravações internas. 

Bem, damos a notícia para dividir com vcs que merecem e com cuidado de conter exageros de Pais dela. Claro que os méritos vão todos para a produção, para os patrocinadores da obra e todo o pessoal que abriu as portas para a Amábile, como vcs da G&G. Alguém, as pessoas, descobriram o valor dela e nos parabeniza pela filha que temos. Eu gostaria que todos os pais e mães tivessem essa felicidade. É o que eu desejo de coração. Os estudos dela foram planejados com muito sangue frio e cuidado, inclusive para ela poder se ausentar e fazer esses trabalhinhos e também poder aproveitar dessa e de todas as formas a sua infância espetacular pela qual temos que agradecer a Deus. Eu fico muito orgulhoso porque já tenho o Tiago e a Júlia, filhos de 27 e 24 anos, como muita coisa de especial e correndo atrás da vida, já com muitos destaques. Se a Amábile tivesse além do que tem, também todos os predicados físicos de todos os modelos mirins que conhecemos, aí seria querer demais! Mas, nós sabemos que ela pode ter algo superior ainda que e desenvolver seus talentos. Todas as pessoas podem isso. Com naturalidade divina de criança. Isso, depende dela. Nós queremos ajudar. É nossa obrigação. Não podemos esquecer aos colégios da vida dela e escolas de dança/balé, de natação, de inglês, e as madrinhas e mães todas. O Filme deve se chamar "Lilinho".


Merece ser lido, bem como todo o Livro, que ´temos autografado com significante dedicatória pelo autor.  Nós pais tivemos chance de contida e comportada presenciação de partes da produção. Outro privilégio, geralmente, impossível, ou somente possível a Diretores da segurança e do alto nível do Zé Pedro. Bem que a Vera tinha falado isso prá gente, a respeito, digo, da competência do Zé Pedro. A Amábile está fazendo o papel da filha (na vida real) do Zé Pedro do conto. Inclusive ela, a filha dele, esteve lá gravando com as outras crianças, uma figuração para o filme, o que muito nos honrou. No meio disso tudo, total psicologia infantil. Ufa! finalmente, Vera! O mundo ainda vai se salvar! Depois de tudo o que a Amábile já passou, na mão de certos testes e produção em SP, Floripa, Curitiba.... !?... Ao meio dia de sábado, primeiro dia de gravação, o Zé Pedro puxou uma brincadeira de esconde-esconde, para familiarizar todas as crianças, que mereceu os nossos parabéns pessoais a ele. E a Amábile com certo comportamento de paz e serenidade diferenciados, com muita naturalidade infantil e maturidade, que parece, segundo comentário da equipe, veio a calhar no conjunto da obra. Aliás, conhecemos pessoas extraordinárias.  Só isso já valeu tudinho. 

Te lembras, Vera, quando te falei que o cachê era o que menos importava?...

Bem. Claro que a obra do Zé Pedro é o mais importante. Mas, para nós, pais da Amábile, essa é a percepção. Merece outra obra para exprimir isso. Quem sabe? !

Criança. A Amábile gostaria de viver em uma mansão como aquela! Contida e cheia de natureza. Com 1,5 hectar de tamanho, frente para avenida e fundos para o Guaíba, com crepúsculos iguais ao de sábado e todos aqueles cenários e brinquedos internos e externos. Impossível? Depende da nossa cabeça e de como realizar isso. Eu comentei com ela que um dia ela poderia comprar uma, "quem sabe".  Ela me respondeu que queria agora que ela é criança para poder aproveitar. Bem, gente. Criança diz "cada uma". Acho que o mundo, e a vida real de todos nós, a toda hora, por obra, sabe-se lá de QUEM, tem essas mansões e histórias reais em cada pequena coisa.

Tudo já terá valido à pena, até aqui. Histórias de cinema acontecem na vida de todos nós. É desencantá-las."




Nenhum comentário:

Postar um comentário